domingo, 6 de junho de 2010

APOSTILA CURSO: PROFESSORES BERÇARISTAS E AUXILIARES DE CRECHE

ESTA É A APOSTILA QUE FIZ PARA O CURSO QUE DEI NO CETEP/ MACAÉ PARA BERÇARISTAS E AUXILIARES DE CRECHE. FOI UM SUCESSO E ESTAMOS ESPERANDO O REINÍCIO DAS ATIVIDADES.


BRINCADEIRAS PARA CADA FASE E BRINCADEIRAS IDEAIS PARA CADA IDADE;

A escolha de brinquedos para crianças exige alguns cuidados, devem levar em consideração o gosto, o interesse, a habilidade e a limitação infantil. A prefeirência é pelos mais educativos, capazes de estimular a coordenação motora, a inteligência, a afetividade e a socialização. Todas as suas partes devem ser maiores do que o pulso da criança para prevenir o sufocamento e acidentes.

A ESCOLHA MAIS ADEQUADA PARA CADA FAIXA ETÁRIA

Recém-nascido até os 09 meses - É a fase em que as crianças vão, pouco a pouco, descobrindo a cor, o som e a forma das coisas. Elas devem ser estimuladas com brinquedos macios e bastante coloridos, pois este será o início de uma etapa preparatória de desenvolvimento motor. Os brinquedos devem ser leves, resistentes, sem quinas ou pontas, antialérgicos, ter sons agradáveis e não soltar tinta nem pequenas partes. Algumas dicas são: brinquedos para o banho, animais de pelúcia sem olhos ou nariz de botão (caso a criança não tenha alergia), móbiles e chocalhos.

09 a 12 meses - Os brinquedos com texturas, formas e tamanhos diferentes trazem para as crianças um desenvolvimento bastante satisfatório nos aspectos de coordenação motora, noção de conceitos quantitativos básicos e, principalmente, na aquisição dos sentidos sensoriais iniciais, como tato, audição e visão. Os mais adequados incluem tapetes de atividade, livros de pano, bonecos macios ou blocos de madeira ou plástico de tamanho grande.

01 a 03 anos - Crianças desta idade são curiosas e sem noção de perigo, elas testam e experimentam todas as possibilidades de brincar. Gostam de escalar, pular, atirar objetos e empurrar.
A preocupação da família e educadores se volta para o cuidado no manuseio dos brinquedos. Porém, não se deve afastá-las destes perigos, mas sim orientá-las, com atenção redobrada. Estas brincadeiras podem ser aproveitadas para trabalhar limites, concentração e atenção das crianças. Pode-se utilizar livros, blocos, jogos de encaixar, abre e fecha, bolas, brinquedos que imitam painel de automóveis, telefones de brinquedo, brinquedos de forma, jogos com peças de montar e bonecos mais robustos.

03 a 05 anos – Nesta faixa de idade, as crianças gostam de testar sua força física, além de jogos de experimentação ou aqueles que imitam as atividades das mais velhas ou dos pais e educadores. É a fase do faz-de-conta. Nesta etapa, começam a ter noções do que é real e do que é abstrato, porém esta divisão entre o concreto e o subjetivo ainda é bastante primária e deve ser estimulada para que a criança não pule etapas em seu desenvolvimento. Os brinquedos adequados incluem material de artes não tóxico (tintas, massa de modelar, entre outros) vídeos, livros de história, instrumentos musicais, quadro negro e giz, martelo e bancada, brinquedos de casa (vassoura, fogão, carrinho de feira), brinquedos de transporte (triciclos, carros, caminhões), karaokê infantil, fantasias, utensílios para chá, balanço e caixa de areia, etc.

05 a 07 anos – Esta é a fase mais criativa e fisicamente mais ativa. As brincadeiras em grupo ganham importância e elas já sabem até ler e escrever, fazer artesanato, artes e usar brinquedos mecânicos simples como trens e carros. As dicas são os materiais de artesanato, corda de pular, marionetes, livros, bicicletas, bolas, tabela de basquete e trava para gol.

07 a 09 anos - Os jogos de raciocínio e memória adaptam-se às crianças desta idade, dominam sua capacidade motora e inventam regras. Os brinquedos mais indicados para esta idade são os jogos de visualização, os quebra-cabeças, patins e equipamentos esportivos que estimulam o cognitivo.

09 a 12 anos - Estas crianças já têm "vontades" e gostam de desenvolver hobbies e atividades científicas. Procure observar as preferências da criança, antes de comprar qualquer brinquedo. Presentes apropriados incluem computador, microscópio, jogos de mesa e de tabuleiro, equipamentos para esportes coletivos.
O brincar também tem suas etapas de desenvolvimento. A criança começa a brincar sozinha, manipulando objetos. Posteriormente, procurará companheiros para as brincadeiras paralelas (cada um com seu brinquedo). A partir daí, desenvolverá o conceito de grupo e descobrirá os prazeres e frustrações de brincar com os outros, crescendo emocionalmente.
Brincar em grupo evita que a criança se desestimule, mesmo quando ainda não sabe brincar junto. Ela aprende a esperar sua vez e a interagir de forma mais organizada, respeitando regras e cumprindo normas. Com os grupos ela aprende que, se não encontrarmos uma forma eficiente de cooperar uns com os outros, seremos todos prejudicados. Com a brincadeira, prende-se a ganhar e a perde possibilitando a construção do juízo moral e da autonomia na criança.

EXEMPLOS DE BRINQUEDOS E ATIVIDADES QUE ESTIMULAM O APRENDIZADO E AUXILIAM NA SOLUÇÃO DE PROBLEMAS:
*Brinquedos de atividades com discos e alavancas.
*Blocos de empilhar.
*Caixas com itens para encher e esvaziar.
*Brinquedos de encaixar.
*Cones de empilhar.
*Brinquedos que pulam, fáceis de ativar.
*Grandes bolas de plástico para encaixar.
*Livros com barulhinhos.
*Fantoches, entre outros.

BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS;

Brincando ou jogando, a criança tem a oportunidade de desenvolver capacidades indispensáveis para um bom desempenho no aprendizado como a atenção, o hábito de permanecer concentrado e outras competências e habilidades durante seu desenvolvimento.

Ao valorizar o ato de criar brinquedos e brincadeiras nesta faixa etária, destaca-se a importância desta produção no desenvolvimento físico, motor, psíquico e social da criança, em relação a si mesma e ao seu meio. O estimulo a produção de brinquedos, o reconhecimento da capacidade de criação utilizando materiais encontrados no seu ambiente de forma imaginativa e criativa, faz com que esta criança desenvolva suas capacidades de socialização e com isso, mais estímulos na assimilação do conhecimento.

Esta proposta estimula a concentração, memorização, capacidade de resolução de problemas, raciocínio lógico-matemáticos, e conseqüentemente, aumento da auto-estima.

MATERIAIS PARA CONTRUÇÃO DOS BRINQUEDOS PEDAGÓGICOS

*Rolos de papel higiênico;
*Papéis coloridos (sobras);
*Tinta;
*Pincel;
*Folhas;
*Caixa de ovo grande;
*Lã, fitas, barbantes, etc;
*Garrafas plásticas;
*Potes de sorvete;
*Pedaços de papelão;
*Palito de churrasco, picolé;
*Tampinhas de garrafas de refrigerante e de caixa de suco/leite;
*Caixa de pasta de dente;
*Caixa de fósforo;
*Botões, etc.

EXEMPLOS DE CONSTRUÇÃO DE BRINQUEDOS PEDAGÓGICOS
*Caixas surpresa;
*Dominós;
*Jogos da velha;
*Tangran;
*Damas;
*Jogos pedagógicos, etc;

BRINCADEIRAS POPULARES: CANTIGAS DE RODA

As Cantigas de Roda são um tipo de canção popular, que está intimamente ligada as brincadeiras de roda. A prática é comum no nosso País e faz parte do folclore brasileiro. Consiste em formar um grupo com várias crianças ou duas, se for o caso, que dando as mãos cantam uma música com características próprias, com melodia e ritmo equivalentes à cultura local, letras de fácil compreensão, temas referentes à realidade da criança ou ao seu universo imaginário e geralmente coreografadas.

Elas também podem ser chamadas de cirandas, e têm caráter folclórico. Atualmente, estas não são tão presentes na realidade infantil como antigamente devido às tecnologias existentes, e já não são mais passadas oralmente como acontecia no passado. São utilizadas geralmente para entretenimento de crianças de todas as idades em locais como colégios, creches, parques, etc.

Há algumas características que elas têm em comum, como por exemplo a letra. Além de ser uma letra simples de memorizar, é recheada de rimas, repetições e trocadilhos, o que faz da música uma ótima oportunidade de principalmente de brincar, mas também utilizá-la em sala de aula no aprendizado da leitura e da escrita ou em qualquer conteúdo do planejamento. Por exemplo:
Animais: “A barata diz que tem”, “Peixe vivo” e “Sapo Jururu”
Família/identidade: “Quando eu era neném”
Números: “A galinha do vizinho”, “Um, dois, três indiozinhos”
Nome próprio/identidade/socialização: “a canoa virou”, “O sapo não lava o pé”, “Fui no Tororó”, etc.

As cantigas hoje conhecidas do Brasil têm sua origem na Europa, mais especificamente de Portugal e Espanha. No século 19, com a vinda da família real portuguesa para o Brasil, chegaram os primeiros brinquedos juntamente com as cantigas. Foi então que começaram a fazer parte do universo infantil brasileiro, nas famílias da corte, bolas de gude, soldadinhos de chumbo, espadas e bonecas de porcelana. Nessa época também foram introduzidas na nossa cultura as adivinhas trazidas pelos imigrantes europeus. Porém, estas já não são as mesmas e adaptaram tanto ao folclore brasileiro que são o retrato do nosso país.

As cantigas de roda são de extrema importância para a cultura de um local, e através dela que se conhece os costumes e o cotidiano de um povo, festas típicas do local, comidas, brincadeiras, paisagem, flora, fauna, crenças, dentre outras coisas. Algumas cantigas de roda podem variar sua letra ou forma de cantar de uma região para outra, sem contudo, perder seu conteúdo. O folclore de determinado local vai sendo construído aos poucos através não só de cantigas de roda, mas também de histórias populares contadas oralmente, cantigas de ninar, lendas, parlendas, etc.

Estes são o tipo de letra de algumas das cantigas de roda mais cantadas no Brasil.

CIRANDA CIRANDINHA
Ciranda Cirandinha
Vamos todos cirandar
Vamos dar a meia volta
Volta e meia vamos dar
O Anel que tu me destes
Era vidro e se quebrou
O amor que tu me tinhas
Era pouco e se acabou

SÃO JOÃO DA RA RÃO
São João Da Ra Rão
Tem uma gaita-ra-rai-ta
Que quando toca-ra-roca
Bate nela
Todos os anja-ra-ran-jos
Tocam gaita-ra-rai-ta
Tocam tanta-ra-ran-to
Aqui na terra
Maria tu vais ao baile, tu “leva” o xale
Que vai chover
E depois de madrugada, toda molhada
Tu vais morrer
Maria tu vais “casares”, eu vou te “dares”
Eu vou te “dares” os parabéns
Vou te “dares” uma prenda
Saia de renda e dois vinténs

A BARATA DIZ QUE TEM
A Barata diz que tem sete saias de filó
É mentira da barata, ela tem é uma só
Ah ra ra, iá ro ró, ela tem é uma só !
A Barata diz que tem um sapato de veludo
É mentira da barata, o pé dela é peludo
Ah ra ra, Iu ru ru, o pé dela é peludo !
A Barata diz que tem uma cama de marfim
É mentira da barata, ela tem é de capim
Ah ra ra, rim rim rim, ela tem é de capim
A Barata diz que tem um anel de formatura
É mentira da barata, ela tem é casca dura
Ah ra ra , iu ru ru, ela tem é casca dura
A Barata diz que tem o cabelo cacheado
É mentira da barata, ela tem coco raspado
Ah ra ra, ia ro ró, ela tem coco raspado

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS

As histórias sempre fascinam o ser humano. Nas palavras faladas ou escritas de um bom narrador, os episódios adquirem vida e, nos imaginamos como se fossemos o personagem. Somos então transportados para um outro mundo real. Lá acompanhamos os personagens em suas aventuras e em seus dramas, compartilhamos suas alegrias e tristezas.

Neste contexto, as histórias infantis têm papel fundamental na formação do indivíduo, tornando-o criativo, crítico e capaz de tomar decisões e até mesmo resolver conflitos no cotidiano. Além do lúdico, contar histórias contribui para o desenvolvimento infantil e estimula o hábito da leitura.

Assim, ouvir e contar histórias...

*Desenvolve a imaginação.
*Resgata a tradição da cultura oral e incentiva a escrita;
*Proporciona momentos lúdicos e de interação;
*Desperta nos alunos o gosto pela leitura através de textos literários;
*Estimula nos alunos a reflexão e a revisão de valores, atitude e comportamentos;

PASSO-A-PASSO PARA CATIVAR A PLATÉIA

Faça uma seleção de títulos que despertem em você a vontade de passá-los aos alunos. É importante abrir o universo deles para diferentes narrativas, com temas como a vida e a morte, nossa origem e a humanidade, além de mitos.

Escolha recursos, como desenhos, bonecos, músicas e movimentos de dança, com os quais você se sinta mais à vontade.

Use elementos expressivos, como imitação de vozes e movimentos com as mãos (estalar de dedos e palmas). Empregados na hora certa, eles fazem a diferença!
Imagine os detalhes de todas as cenas e descubra a melhor maneira de entoar cada trecho (sem se preocupar em decorá-las).

Preste atenção em alguns refrões ou frases de impacto que podem ser repetidos sempre do mesmo jeito - porque são bonitos ou soam bem.

Quanto mais a história for contada, maior o número de novas imagens que são incorporadas a cada cena. Esta é a peculiaridade da oralidade: cada um recria o conto.

Projete a voz na sala e amplie os gestos para que o público não se disperse. Quando o enredo pedir um tom mais suave, todos entenderão o recurso e farão silêncio para ouvir.

Antes ou depois da narração, conte de onde vem a história: de um livro, de um filme. Assim, a turma fica sabendo que também pode passá-la adiante.

ATIVIDADES PARA BERÇÁRIO

Esta fase é marcada pelo toque corporal, pelo tom de voz e expressão, ou seja, todas estas (re)ações constituem ponte para que o bebê ao observá-las possa interagir e agir sob o meio cultural que o cerca. Deste modo, atividades criativas são importantes canais de possibilidades de aprendizagem.

As brincadeiras e interações que se estabelecem entre bebês e os adultos incorporam as vocalizações rítmicas, revelando o papel comunicativo, expressivo e social que a fala desempenha desde cedo. Um bebê de quatro meses que emite certa variedade de sons quando está sozinho, por exemplo, poderá, repeti-los nas interações com adultos ou outras crianças, como forma de estabelecer uma comunicação. (RECNEI, Vol. 3, p. 125)

A música é a linguagem que se traduz em formas sonoras capazes de expressar e comunicar sensações, sentimentos e pensamentos, por meio da organização e relacionamento expressivo entre som e o silêncio. (RECNEI, Vol. 3, p. 45).

OS OBJETIVOS QUE CONTEMPLAM O TRABALHO COM A FAIXA ETÁRIA DE 4 MESES A 1 ANO E MEIO (BERÇÁRIO) SEGUNDO O RECNEI É:
*Transmitir ambiente acolhedor e seguro;
*Trabalhar capacidades expressivas;
*Desenvolver formas alternativas de consciência corporal;
*Desenvolver formas alternativas de locomoção;
*Relação de independência com o ambiente vivido;
*Explorar e utilizar movimentos de preensão, encaixe, lançamento, etc;
*Expressar sensações e ritmos corporais através do gestual e linguagem oral;
*Desenvolver a audição, percepção e descriminação das diversas manifestações sonoras

SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA O BERÇÁRIO SEGUNDO O RECNEI
*Cuidados básicos de higiene e saúde;
*Participação em brincadeiras de “esconder e achar e em brincadeiras de imitação”
Estimulação verbal, através de conversas, audição de músicas, sons de brinquedos, etc;
*Estimulação na hora do banho com conversas, cantos, nomear partes do corpo, etc;
*Estimular e incentivar a criança na buscar de objetos com mãos, arrastando-se ou engatinhando até que consiga andar;
*Estimulação tátil, através de carícias e afago;
*Estimulação visual, através de objetos coloridos, vídeos e livros de histórias com sons e coloridos;
*Incentivo e estimulação com brinquedos de encaixe;
*Interesse e incentivo em alimentos e comer sem ajuda (segurar a mamadeira ou copinho comas mãos);
*Trocas de roupas e fraldas sempre que necessário;
*Músicas com gestuais e cantigas de roda;
*Incentivo à oralidade com músicas, histórias, conversas, etc;
*Realizações de pequenas ações cotidianas para que obtenha autonomia gradualmente;
*Expressão e manifestação de desconforto ante a presença de urina e fezes;
*Estimular a autonomia e identidade através do reconhecimento da imagem (atividade com espelho);

SUGESTÃO DE ATIVIDADES PARA UMA AULA OU PERÍODO INTEGRAL
08:00 – Chegada
08:10 – Parquinho
09:00 – Lanche
09:15 – Rodinha com história, músicas de saudação, tempo, nomes, conhecendo os novos coleguinhas, conversa informal sobre férias/fim de semana ou rotinas, interagir com o espaço da escola/sala de aula (atividades do planejamento), etc;
10:00 – Banho (se for período integral)
1100 – Almoço e escovação de dentes
11:15 – Descanço e vídeo (ver vídeo)
13:30 – Parquinho
14:00 – Lanche
14:15 – Rodinha com história, músicas de saudação, tempo, nomes, conhecendo os novos coleguinhas, conversa informal sobre férias/fim de semana ou rotinas, interagir com o espaço da escola/sala de aula (atividades do planejamento).
15: 00 – Banho (se for período integral)
16:00 – Jogos de montar (lego e construtor) ou quebra-cabeça ou outro.
17:00 – Jantar e escovação de dentes
17:00 - Tv e preparação para a saída.

CRIANÇAS A PARTIR DE 1 ANO E MEIO ATÉ TRÊS ANOS

Já a partir desta faixa etária, a criança é marcada pela descoberta gradual da percepção e da gerência das próprias ações através do meio que o cerca. Assim, as atividades para esta fase, devem ser pontuadas com oportunidades em que as crianças possam aos poucos dirigir suas próprias ações, ou seja, as crianças aprendem sobre sí mesmas, suas próprias competências e estabelecem uma relação de interação e confiança com o outro mais próximo, aprendendo desta forma a lidar com com a realidade que o cerca.

OS OBJETIVOS NESTE CONTEXTO PODEM SER IMPLEMENTADOS DESTA MANEIRA SEGUNDO O RECNEI

*Transmitir ambiente acolhedor e seguro;
*Trabalhar capacidades expressivas;
*Desenvolver formas alternativas de consciência corporal;
*Relação de independência com o ambiente vivido;
*Explorar e utilizar movimentos de preensão, encaixe, lançamento, etc;
*Proomover o desenvolvimento da coordenação motora grossa da criança;
*Dar ênfase à musicas, parlendas, contos, historietas, rimas, conversas para o desenvolvimento da linguagem oral, etc;
*Brincar;
*Expressar desejos, sentimentos, necessidades, sentimentos, etc;
*Relacionar-se progressivamente com seus pares e os demais;
*Conhecer gradualmente seu próprio corpo, seus limites, sensações, etc;

JÁ OS CONTEÚDOS ESTÃO ASSIM DISTRIBUÍDOS
*Cuidados básicos de higiene e saúde como o incentivo ao uso do banheiro/ penico (controle de esfíncteres);
*Iniciativa gradual de desconforto perante a presença de urina e fezes;
*Incentivo ao uso de escova de dentes;
*Estimulação verbal, através de conversas, audição de músicas, sons de brinquedos, contos de histórias curtas, etc;
*Incentivo a garatujas através de trabalhos manuais como pintura com lápis de cor, giz de cera e tinta guache;
*Estímulo a traçados simples para coordenação motora;
*Estimulação e reconhecimento do próprio corpo com conversas, cantos, nomear partes do corpo, etc;
*Estimulação tátil com trabalhos manuais com massinhas e argila;;
*Reconhecimento visual e tátil através de objetos coloridos, vídeos e livros de histórias com sons e coloridos;
*Incentivo e reconhecimento de brincadeiras com brinquedos do tipo encaixe e monta-desmonta;
*Incentivo a pedir auxílio em situações cotidianas sempre que necessário;
*Apresentação de cores;
*Interesse e incentivo em novos alimentos e comer sem ajuda (segurar a colher ou copinho com as mãos);
*Músicas com gestuais e cantigas de roda;
*Brincadeiras de imitação;
*Incentivo à oralidade procurando ampliar o vocabulário com músicas, histórias, conversas, etc;
*Realizações de pequenas ações cotidianas para que obtenha autonomia gradualmente;
*Brincadeiras livres na sala, no parquinho, para que possa escolher objetos, e espaços agradáveis, etc;
*Estimular a autonomia e identidade através do reconhecimento da imagem (atividade com espelho);
*Interagir socialmente por intermédio de brincadeiras e jogos que estimulam a criança trocar objetos;
*Respeito a regras, limites e boas maneiras, etc;
*Identificação de situações de risco e seu ambiente mais próximo;
*Participação e interesse em situações que envolva a interação social;

BRINCANDO COM SUCATAS

Hoje em dia a reciclagem é assunto discutido por pessoas de todas as idades. Muitas crianças já têm consciência de que o lixo pode ser renovado ou transformado em algo útil. Em casa ou na escola elas aprendem a dar valor a materiais que aparentemente não serviriam para nada e transformam sucata em brinquedos. Uma característica de atividades com sucatas é que esta, permite ao aluno, numa fase inicial do trabalho, explorar o material com o qual esta trabalhando, fazendo com que este aluno perceba o valor do nosso meio ambiente, de nossa natureza.

Usando a imaginação e a criatividade, pode-se, com a ajuda das crianças, fabricar materiais e equipamentos que poderão ser utilizados em jogos de pátio, recreação, ruas de lazer e aulas de educação física e sala de aula.

TRABALHANDO COM SUCATA A CRIANÇA PODE...
*Construir brinquedos que despertem suas criatividades, brincar e aprender com a sua produção;
*Despertar a consciência de que precisamos reciclar as embalagens descartáveis, a fim de contribuir para a preservação do meio ambiente;
*Estimular a socialização e inclusão social;
*Selecionar e fazer seqüências do maior para o menor e vice-versa;
*Fazer agrupamentos pelas cores, formas, utilidades, características, etc;
*Observar objetos iguais e diferentes, pedindo que agrupem os iguais;
*Desenvolver a coordenação viso-motora, atenção, ritmo, movimentos amplos, coordenação bimanual;
*Desenvolver da percepção auditiva, a compreensão de palavras, memória auditiva, linguagem oral, orientação espacial.
*Desenvolver a percepção tátil, discriminação dos conceitos básicos, vocabulário, memória visual, observação, esquema corporal.

BRINCANDO COM BALÕES

O brincar apresenta-se em várias categorias de experiências que são diferenciadas pelo uso do material ou dos recursos predominantemente implicados. Essas categorias incluem: o movimento e as mudanças da percepção resultantes essencialmente da mobilidade física das crianças.

A relação da criança com os objetos (brinquedos) e suas propriedades físicas, assim como a combinação e associação entre eles (brinquedos) e crianças, possibilitará a desinibição dos participantes nas brincadeiras para interagir com seu pares. As atividades com balões nortearão as noções de encher/esvaziar, processo de respiração, o trabalho com cores, etc, utilizando esta ferramenta como uma forma lúdica e prazerosa no ato de brincar e aprender.

BRINCANDO COM PAPEL (ORIGAMI)

A técnica do Origami tem como base a criação de formas através da dobradura de papéis, sem o uso de cortes. Esta prática favorece a concentração, destreza manual e paciência, além da satisfação pessoal de poder criar formas apenas com um pedaço de papel. É importante saber algumas dicas que vão facilitar o êxito dessa arte de dobrar. Lembrando sempre que como qualquer aprendizado, a paciência e a perseverança devem estar presentes. Com a técnica da dobradura pode-se fazer qualquer coisa desde que tenha habilidade.

DICAS PARA TRABALHAR COM DOBRADURAS

*Trabalhe sobre uma superfície lisa e plana, para facilitar as dobras.
*Procure estar com as mãos limpas.
*Utilize sempre um papel cortado simetricamente.
*Faça as dobras com muita atenção, passando a unha do polegar ao longo de cada uma para acentuar o vinco.
*Procure seguir os diagramas sempre na seqüência.
Na dúvida sobre um determinado passo, procure ver como ficará a figura no passo seguinte.

BRINCANDO COM MASSINHA: DICAS DE PREPARO

A massinha possibilita ensinar a mistura de cores às crianças entre outas coisas. Muitos são os objetivos ao realizar a atividade com massinha. Esta atividade que para alguns é um tempo de “amassar” com os dedinhos uma substância, tem uma enorme importância na vida escolar da criança. Dentro das Artes Plásticas é o principio básico para introdução à escultura, ou trabalhos de argila que podem ter aparência de artesanato ou uma obra de Arte. Hoje podemos ver na televisão desenhos e filmes realizados com massa de modelar demonstrando o seu lugar no mercado social.


ESTA ATIVIDADE TEM ALGUNS OBJETIVOS COMO:
*Desenvolver a Motricidade fina;
*Desenvolver a Criatividade;
*Perceber a quantidade da massa como forma;
*Poder representar e se expressar através da manipulação com a massa de modelar;

BRINCANDO DE MASSINHA
A atividade com massinha possibilita a criação de formas e personagens variados que as crianças podem criar. Pode-se também com a massinha, ensinar cores e suas misturas. Pegue uma bolinha de massa amarela e outra azul, ou outras cores que quiser e misture-as na frente da criança mostrando a cor que vai aparecer. Pode-se utilizar moldes para brincar com a massinha e fazer variados formatos.

RECEITA DE MASSINHA CASEIRA I (Esta pode fazer em sala com as crianças)
INGREDIENTES
*4 xícaras de farinha de trigo
*1 xícara de sal
*1 1/2 xícara de água
*1 colher (sopa) de óleo
*Corante alimentício de várias cores (você encontra facilmente nos supermercados)

MODO DE FAZER

Misture tudo muito bem, amassando com as mãos. Separe por cores e guarde em sacos plásticos na geladeira para que durem por mais tempo. caso ressequem um pouco, acrescente um pouquinho de água e amasse bem. Depois é só usar a imaginação e brincar a vontade.

RECEITA DE MASSINHA CASEIRA II (Esta é melhor fazer em casa por causa do vinagre)
INGREDIENTES
*1 xícara farinha de trigo
* ½ xícara sal
*½ xícara água
* ¼ xícara vinagre
*¼ xícara guache.

MODO DE FAZER

Misture a farinha de trigo com o sal. Aos poucos, vá acrescentando a água e o vinagre. Por último, acrescente a tinta guache. Se preferir, divida a receita ao meio e use duas cores de tinta guache, uma para cada porção de massa. Não se esqueça que ao dividir a receita ao meio, a quantidade de tinta também deve ser proporcional. Amasse tudo muito bem, até obter uma massa lisa.

TIPOS DE ATIVIDADES USANDO A MASSINHA

*Atividades de Letramento – fazer letrinhas com massinha ou nome;
*Bichinhos e figuras variadas;
*Números: reconhecer e confeccionar números de massinha;
*Frutas: reconhecer e confeccionar modelos de frutas;
*Figuras de pessoas, e muitas outras coisas;


BIBLIOGRAFIA:

ÁRIES, Flilippe – “História social da criança e da família” – Rio de Janeiro – Editora Zahar –
1978.
BRASIL.. Referenciais Curriculares Nacionais para Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998.
HOFFMANN, Jussara “Avaliação na Pré-Escola: um olhar sensível e reflexivo sobre a
criança”– Porto Alegre – Editora Mediação – 1996.
KISHIMOTO, Kizuko Morchida, Jogo, Brinquedo, Brincadeiras e a Educação, 2ª Ed. –
Editora Cortez, 1997.
MELLO, Maria Cristina e RIBEIRO, Amélia Escotto do Amaral. Competências e Habilidades: da teoria a prática. (org.) RJ: WAK, 2003.
OLIVEIRA, Zilma Ramos de. Educação Infantil: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2002.
VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1993.
______________, Formação social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.
WINNICOTT, D.W. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975.
WINNICOTT, D.W. A criança e seu mundo. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.
PIAGET, J. O juízo moral na criança. São Paulo. Summus, 1994.
Fontes:
http://revistaescola.abril.com.br/
Secretaria Municipal de Educação e Cultura da Prefeitura de Teotônio Vilela

Um comentário:

Alice disse...

Muito obrigada, pela postagem.As informações são de grande proveito.Um forte abraço.