sábado, 30 de outubro de 2010

Projeto Diversidade Cultural na Educação Infantil

Projeto Diversidade Cultural na Educação Infantil

TEMA: Diversidade cultural
INSTITUIÇÃO: Educação Infantil/Pré-Escola
PÚBLICO ALVO: Crianças de 06 (seis) anos de idade
TEMPO PREVISTO: 01 (um) bimestre ou a escolha.

JUSTIFICATIVA:

O Projeto Diversidade Cultural para a pré-escola, propõe uma discussão não só com os pequeninos, mas também com toda a escola sobre identidade cultural destes e as várias culturas existentes em nosso país no âmbito individual, social e coletivo, buscando entrelaçar as diversas linhas do conhecimento interdisciplinar em Língua Portuguesa, História, Geografia, Artes, etc.

O trabalho com Literatura Infantil, nos trás possibilidades de explorar várias habilidades e competências desta faixa de idade. Sendo assim, com a opção da história Menina Bonita do Laço de Fita, pode-se explorar a heterogeneidade na e da escola, como o preconceito racial, buscando, as origens dos participantes, suas descendência, culturas em que estão inseridos, como: comidas típicas, costumes, danças, lendas e religião, não só local, mas também global. Com isso, formar cidadãos críticos e autônomos que participam do processo social, conscientes de seus direitos e deveres na sociedade com base no respeito mútuo.

OBJETIVO GERAL: Abordar as diversidades culturais bem como suas particularidades, através do processo de conhecer, descobrir, interagir, crescer e apropriar-se de novos repertórios de forma prazerosa, rica e envolvente.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS:

ü Pesquisar as diferentes culturas da Instituição para serem trabalhadas nas atividades;

ü Pesquisar as diferentes culturas da comunidade;

ü Trabalhar a interação família escola;

ü Propiciar a interação de todos os segmentos da escola;

ü Possibilitar a construção de valorização da cultura africana e a brasileira, buscando uma verdadeira identidade cultural;

ü Promover a valorização cultural através da leitura e interpretação dos textos literários afro-brasileiros, refletindo sobre este tema;

ü Estimular a formação de opiniões, atitudes e valores que desenvolvem os cidadãos críticos e éticos para a consciência étnico-racial;

ü Trabalhar a auto-estima no educando, para que este possa relacionar-se com os seus pares;

ü Fomentar no educador, a postura, a ética, a educação e a construção de uma auto-estima positiva;

ü Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

ü Descobrir e conhecer progressivamente seu próprio corpo, suas potencialidades e seus limites, desenvolvendo e valorizando hábitos e cuidado com a própria saúde e bem-estar;

ü Estabelece vínculos afetivos e de troca com adultos e seus pares, fortalecendo sua auto-estima e ampliando gradativamente suas possibilidades de comunicação e interação social;

ü etc;

RECURSOS:

ü Livros de histórias;

ü CDs;

ü DVs;

ü Fotos;

ü Mapa-mundi;

ü Etc;

Este projeto poderá ser desenvolvido através dos vários eixos abaixo levando em conta o RECNEI: 
 
ü  Hora do Conto - Atividades desenvolvidas dentro do componente curricular Linguagem Oral e Escrita através de diálogos com adultos e⁄ou seus próprios pares nas diversas situações de interação social e no faz-de-conta em que estas crianças se expressão via imitação, observação, familiarização com a escrita e leitura através do manuseio e audição de livros, revistas, escuta e encenação de diversos tipos de textos.
ü  Artes Cênicas – As atividades desenvolvidas dentro deste componente curricular - O fazer artístico/Teatro, tem como um dos objetivos a exploração e reconhecimento de diferentes movimentos gestuais, visando a produção de marcas gráficas e complementando com os trabalhos e objetos produzidos individualmente ou em grupo (RECNEI, Vol. 3, p.97). 
ü  Desenvolvimento da Identidade e Autonomia – Na construção deste conceito a criança gradualmente, permite-se enquanto ser social a compreender-se e comunicar-se através de múltiplas formas tendo em vista a aquisição de seus próprios limites corporais e isso ocorre de forma efetiva na oportunidade do trabalho com o Teatro via histórias infantis entre como a história Menina Bonita do Laço de Fita;

Conteúdos - Os conteúdos irão priorizar o desenvolvimento das capacidades de leitura, escrita, expressivas e estéticas, possibilitando a apropriação do conhecimento em diversas situações de aprendizagem. Isto se dará de forma gradual e expontânea com a participação em diferentes atividades envolvendo a percepção de apoio em situações que envolvam a necessidade a argumentação de idéias e pontos de vista e experiências vividas. Neste contexto, dramatizar a realidade é apropriar-se dela para poder entender a vida, os diferentes papéis sociais e as relações entre eles.

Nesta perspectiva, o teatro na Educação Infantil trata-se mais de um grande jogo dramático, onde brincando exercitam outros tons de voz testam a autoridade ou a submissão, a coragem e o medo.

Os fantoches, marionetes, fantasias e maquiagens contribuem para esse exercício de faz de conta e também compõem esse delicioso cenário.

Busca-se neste projeto, compreender a nossa cultura, os elementos do folclore, os costumes e as regras sociais permitem que nossas crianças possam estabelecer comparações e ampliar o seu repertório, através do conhecimento de outras culturas e outros povos, este processo será rico também através da culinária que pode surgir em vários contextos. Quer seja a partir da história, quer seja a partir do conhecimento de outras culturas e seus alimentos, ou ainda das preferências culinárias de cada aluno da turma.

Metodologia – O papel do professor - Vygotsky sustenta que todo conhecimento é construído socialmente, no âmbito das relações humanas. Essa teoria tem por base o desenvolvimento do indivíduo como resultado de um processo sócio-histórico, enfatizando o papel da linguagem e da aprendizagem nesse desenvolvimento, sendo essa teoria considerada, histórico-social. Este processo, se dá na relação com outro, nas trocas onde o professor aperfeiçoando sua prática constrói, consolida, fortalece e enriquece seu aprendizado. Por isso é importante ver a pessoa do professor valorizar o saber de sua experiência. Neste sentido, NÓVOA (1997) afirma que a troca de experiências e a partilha de saberes consolidam espaços de formação mútua, nos quais cada professor é chamado a desempenhar, simultaneamente, o papel de formador e de formando. Assim, o papel do professor é de fundamental importância para a criança ao iniciar a Educação infantil, esta criança está na idade de vivenciar o processo de socialização e estabelecer amizades.

A metodologia utilizada neste projeto contempla uma ação educativa que visa garantir que a criança compreenda e contemple a diversidade cultural.

Ainda, que as trocas de experiências entre crianças sejam respeitados, inclusive nas produções individuais. Tudo isto levando em conta o prazer lúdico (co)gerador do processo de produção. Diante destes elementos, o professor deve estar atento no redimensionamento das atividades propostas quando houver necessidade. A utilização de recursos como TV, vídeo, computadores em sala de aula, internet, visita a escolas e espaços culturais, ida ao teatro, cinema, entre outros, garante situações de aprendizagens significativas no percurso do desenvolvimento da criança. Assim, nesta organização, estes conhecimentos são (re)pensados e (re)vistos enquanto percebimento de um aprendiz que lida com indivíduos em uma sociedade em constantes mudanças. Durante o processo de construção deste projeto é importante afirmar que este estará em consonância com a Proposta Pedagógica da Instituição.

Sendo assim, o trabalho será dividido em várias etapas que deverão estar em consonância entre si como:

ü Interação dos grupos/turmas através de jogos de percepção e observação do corpo como um todo brincadeiras, músicas de conhecimento comum a todos.

ü História o uso da arte de contar histórias para apresentar diversos contos . observação de figuras humanas nas imagens.

ü Após leitura de histórias, uso de desenhos e (re)interpretação) destas.

ü Valorização da ação artística e o respeito pela diversidade cultural.

ü Trabalho individual e em grupo respeitando o limite e o potencial de cada um.

ü Criação de trabalhos manuais através de pinturas, colagens, modelagens, texturas, etc.

A partir daí iniciam-se os ensaios de fala, coreografias, leitura, escrita, etc. O professor com o conhecimento do grupo como um todo, pode inferir apresentando sugestões indicando materiais, tipos de ações adequados a cada criança ou grupo. É essencial que este trabalho requer uma integração plena entre alunos, professores e funcionários da instituição, além de pais e comunidade, pois o desenvolvimento depende da participação de todos, pois envolvem diferenciados conteúdos cada um em seu segmento. Para planejar cenários, fantasias, adereços, máscaras, entre outros, o desenvolvimento de oficinas entre os participantes devem ser uma constante para que sejam confeccionadas todo o material a ser utilizado.

HABILIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS DURANTE O PROJETO:

ü Hábito de ouvir;

ü Hábito de ler e interpretar histórias;

ü Trabalhar a oralidade;

ü Expressão critica;

ü Comunicação;

ü Criatividade;

ü Autonomia;

ü Respeito às regras sociais, etc.

COMPETÊNCIAS A SEREM ADQUIRIDAS DURANTE O PROJETO:

ü Escrita e leitura;

ü Noção de tempo e espaço;

ü Noção de pesquisa;

ü Respeito às diversas culturas;

ü Valorização e respeito ao outro;

ü Etc;

As atividades desenvolvidas durante este período podem ser assim distribuídas:

ü  Rodas da conversa informais e formais
ü  Leitura de materiais variados como livros infantis, jornais, revistas, gibis, sobre a cultura Afro-brasileira;
ü  Visitas à museu, teatro e cinema da cidade, quando houver atividade relevante;
ü  Observação do meio como forma de pesquisa da cultura local e global;
ü  Confecção de cartazes, jornais, livros referente ao tema abordado;
ü  Músicas e textos com conteúdo relacionadas ao tema escolhido; 
ü  Linguagens cênicas: linguagem falada e escrita, expressão corporal (corpo e movimento), as expressões plásticas, visuais e sonoras na elaboração de peças teatrais;
ü  Mostra Cultural com trabalhos realizados pelos alunos bimestralmente⁄semestralmente⁄ anualmente, quando for o caso, etc;

AVALIAÇÃO:


O processo de avaliação deve ser contínuo, através de observações e registros do professor que poderá documentar os progressos do desenvolvimento dos alunos, das habilidades conquistadas como linguagem, escrita, interpretação, expressão, criticidade, comunicação, criatividade, autonomia, respeito as regras sociais, etc. Estes, são o norte para que estes sujeitos possam agir como (trans)formadores do faz-de-conta para o mundo real.

Para que se possa avaliar efetivamente se uma criança ou grupo desenvolve-se saudavelmente deve-se pensar em um ambiente que remete a desafios em situações de interatividade podendo ser feita de forma sistemática por todos os envolvidos no processo como afirma ZAMBELLI.

Considerações finais

Considerando que através da leitura e escrita de histórias infantis a criança expressa-se, comunica-se e sociabiliza-se, o professor tem o importante papel que é a mediação da relação da criança com o conhecimento, assim como na constituição da sua identidade e autonomia. A arte de imitar está presente em tudo e cabe ao educador utilizar recursos didáticos adequados para apresentar variadas informações nos momentos certos a estas crianças. Ao imitar pessoas de seu convívio, a criança está representando. Esta representação de seu cotidiano, ocorre a partir de leituras, interpretações, desenhos, rodas de conversas, dramatizações, etc. Nestes casos, o professor deve estar atento como está ou se dará o desenvolvimento das habilidades de seu aluno, sua inserção social. No nosso dia-a-dia as formas de comunicação e expressão humana são ferramentas eficientes para planejar ações e⁄ou transformações em uma Educação Infantil de qualidade, consolidada no respeito à criança que aprende. Neste projeto, o primordial é que a arte de ler e interpretar histórias desenvolva amplamente na criança habilidades como a auto-estima, formulação de idéias, resolução de problemas, criticidade, etc, tudo ludicamente. Cabe então, a todos os profissionais que atuam direta ou indiretamente com esta criança, reflita não somente dos processos de sala de aula, mas também do seu papel como cidadãos, protagonistas de uma história.

BIBLIOGRAFIA

1 - BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil, V. 3, Brasília: MEC/SEF, 1998.

2 - CANDAU, Vera Maria (Coord). Somos todas iguais? Escola, discriminação e educação em direitos humanos/ Vera Maria Candau (Coord.). – Rio de Janeiro: DP&A, 2003. 176p.

3 – SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999. 156 p

4 - NZABALA, Antoni. A Prática Educativa: como ensinar. Trad. Ernani F. da Fonseca Rosa. Porto Alegre: Artmed, 1998.

5 - ZAMBELLI G. D. TEATRO NA ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DE INTEGRAÇÃO COM DIVERSAS LINGUAGENS. Fonte: www.alb.com.br/anais14/Sem16/C16008.doc

SITES PESQUISADOS:

A CRIANÇA E O TEATRO - DE QUE CRIANÇAS FALAMOS? Maria Helena Kühner site: http://www.cbtij.org.br/arquivo_aberto/artigos.htm

ALCÂNTARA. Projeto Teatro na Escola. Fonte: http://www.maniakids.com.br/blog/projeto-teatro-na-escola/

http://cantinholudico.forumeiros.com/projetos-f6/menina-bonita-de-laco-de-fita-t240.htm

http://grupocontoaconto.blogspot.com/2008/08/menina-bonita-do-lao-de-fita.html

http://apdsantos.blogspot.com/2009/01/projeto-diversidade-cultural-para-pr.html


ANEXO

Menina Bonita do Laço de Fita">Menina Bonita do Laço de Fita


Era uma vez uma menina linda, linda.


Os olhos dela pareciam duas azeitonas pretas, daquelas bem brilhantes.
Os cabelos eram enroladinhos e bem negros, feito fiapos da noite. A pele era escura e lustrosa, que nem o pêlo da pantera negra quando pula na chuva. Ainda por cima, a mãe gostava de fazer trancinhas no cabelo dela e enfeitar com laço de fita colorida. Ela ficava parecendo uma princesa das Terras da África, ou uma fada do Reino do Luar.

Do lado da casa dela morava um coelho branco, de orelha cor-de-rosa, olhos vermelhos e focinho nervoso sempre tremelicando. O coelho achava a menina a pessoa mais linda que ele tinha visto em toda a vida. E pensava: - Ah, quando eu casar quero ter uma filha pretinha e linda que nem ela…

Por isso, um dia ele foi até a casa da menina e perguntou: - Menina bonita do laço de fita, qual é teu segredo pra ser tão pretinha?

A menina não sabia, mas inventou: - Ah, deve ser porque eu caí na tinta preta quando era pequenina... O coelho saiu dali, procurou uma lata de tinta preta e tornou banho nela. Ficou bem negro, todo contente. Mas aí veio uma chuva e lavou aquele pretume, ele ficou branco outra vez.

Então ele voltou lá na casa da menina e perguntou outra vez: - Menina bonita do laço de fita, qual é teu segredo pra ser tão pretinha?

A menina não sabia, mas inventou: - Ah, deve ser porque eu tomei muito café quando era pequenina. O coelho saiu dali e tomou tanto café que perdeu o sono e passou a noite toda fazendo xixi. Mas não ficou nada preto.

Então ele voltou lá na casa da menina e perguntou outra vez: - Menina bonita do laço de fita, qual é teu segredo pra ser tão pretinha?

A menina não sabia, mas inventou: - Ah, deve ser porque eu comi muita jabuticaba quando era pequenina. O coelho saiu dali e se empanturrou de jabuticaba até ficar pesadão, sem conseguir sair do lugar. O máximo que
conseguiu foi fazer muito cocozinho preto e redondo feito jabuticaba. Mas não ficou nada preto.

Por isso, daí a alguns dias ele voltou lá na casa da menina e perguntou outra vez: - Menina bonita do laço de fita, qual é teu segredo pra ser tão pretinha? A menina não sabia e já ia inventando outra coisa, uma história de feijoada, quando a mãe dela, que era uma E, mulata linda e risonha, resolveu se meter e disse: - Artes de uma avó preta que ela tinha…

Aí o coelho - que era bobinho, mas nem tanto - viu que a mãe da menina devia estar mesmo dizendo a verdade, porque a gente se parece sempre é com os pais, os tios, os avós e até com os parentes tortos. E se ele queria ter uma filha pretinha e linda que nem a menina, tinha era que procurar uma coelha preta para casar.

Não precisou procurar muito. Logo encontrou uma coelhinha escura como a noite, que achava aquele coelho branco uma graça. Foram namorando, casando e tiveram uma ninhada de filhotes, que coelho quando desanda a ter filhote não pára mais.

Tinha coelho pra todo gosto: branco, bem branco, branco meio cinza, branco malhado de preto, preto malhado de branco e até uma coelha bem pretinha. já se sabe, afilhada da tal menina bonita que morava na casa
ao lado.

E quando a coelhinha saía, de laço colorido no pescoço, sempre encontrava alguém que perguntava: - Coelha bonita do laço de fita, qual é teu segredo pra ser tão pretinha? E ela respondia: - Conselhos da mãe da minha
madrinha…

3 comentários:

Anônimo disse...

Gostei do blog, me ajudou mto no meu trabalho. Abçs

anna maria disse...

Amei o blogger. Contribuiu bastante para a realização de meu trabalho.

Anne disse...

Parabens pelo Blog !